Bandas de Bollinger

Bandas de Bollinger

O que são as bandas de Bollinger?

As bandas de Bollinger são um dos indicadores mais utilizados pelos operadores de mercado para comparar a volatilidade de cotização de qualquer ativo e o valor relativo do seu preço durante um período de tempo.
Este indicador foi criado nos anos 80 por John Bollinger e consiste em três bandas que se sobrepõem no gráfico de evolução do preço.

bandas de Bollinger

  • A banda central é uma média móvel, normalmente utiliza-se uma média móvel simples calculada com 20 períodos.
  • A banda superior calcula-se adicionando ao valor da média móvel simples 2 vezes o desvio-padrão da média móvel.
  • A banda inferior calcula-se subtraindo da média móvel simples 2 vezes o desvio-padrão da média móvel.

O desvio-padrão é um parâmetro estatístico que fornece um bom indicativo de volatilidade. O uso desse parâmetro para calcular as bandas garante que elas respondam rapidamente às variações de preço refletindo assim períodos altistas e baixa volatilidade. Da mesma forma, o espaço entre as bandas superior e inferior contém, estatisticamente, quase 90% das possíveis variações do preço, o que significa que qualquer movimento do preço fora das bandas tem especial relevância.

Por estas razões as bandas de Bollinger são utilizadas para:

  • Identificar períodos altistas ou baixa volatilidade.
  • Identificar mudanças na tendência do preço.
  • Identificar força ou debilidade na tendência do preço

Indicador de volatilidade

O valor do desvio-padrão de uma série aumenta à medida que a volatilidade aumenta e diminui à medida que a volatilidade diminui. Portanto, como a largura da banda está determinada pelo valor do desvio, as bandas crescem automaticamente quando a volatilidade dos preços aumenta e diminuem quando a volatilidade diminui, aproximando as bandas superior e inferior.

Quando esse estreitamento nas bandas acontece de forma drástica e súbita, constitui um alerta de movimento iminente e significativo nos preços. A direção em que os preços se movem marcará a posição do preço em relação à média móvel dentro do estreitamento das faixas.

Bandas de Bollinger 2

No exemplo anterior, que corresponde ao preço diário do NYSE Bitcoin Index, observa-se como o súbito estreitamento das bandas se produziu no início de dezembro de 2016, quando o preço subiu acima da média móvel durante toda a duração do estreitamento, antecipando o forte movimento ascendente em que encerrou o índice no ano 2016.

Identificar mudanças de tendência no preço

As bandas de Bollinger também são utilizadas na análise técnica como complemento ao estudo de figuras de mudança de tendência:

  • W ou chão duplo, figura que indica a mudança de tendência à baixa para tendência crescente.
  • M ou teto duplo, figura que indica a mudança de tendência ascendente para outra de baixa.

Formação de uma figura W ou chão duplo

Na análise técnica, um chão duplo ou W forma-se durante uma tendência de baixa e é uma figura de mudança de tendência. As bandas de Bollinger são um instrumento muito útil para confirmar a formação desta figura, conforme explicado abaixo:

O primeiro sinal a ter em conta é o fecho do preço (primeiro chão) abaixo ou próximo à banda inferior, seguido por uma reação altista que eleva o preço até à banda central. O segundo sinal é a formação de um segundo chão, que deve estar acima da banda inferior, indicando menos debilidade que o primeiro chão. Por último, o terceiro sinal que confirma a mudança de tendência é um forte movimento ascendente que leva o preço a superar a banda superior. No gráfico a seguir, que corresponde à cotação diária da Apple, mostra-se um exemplo da formação dessa mudança de tendência:

Bandas de Bollinger

Formação de uma figura M ou teto duplo

Na análise técnica, um teto duplo ou M forma-se durante uma tendência altista e é uma figura de mudança de tendência. Como no caso anterior, as bandas de Bollinger são um instrumento muito útil para confirmar a formação desta figura:

O primeiro sinal a ter em conta é o fecho do preço (primeiro teto) abaixo ou próximo da banda superior, seguido de uma reação de baixa que leva o preço para a banda central. O segundo sinal é a formação de um segundo teto, que deve estar abaixo da banda superior, indicando uma resistência menor que a do primeiro teto. Finalmente, o terceiro sinal que confirma a figura de mudança de tendência é um forte movimento de baixa que leva o preço a perfurar a banda inferior. O gráfico a seguir, que corresponde ao preço diário da Exxon, mostra um exemplo da formação dessa mudança de tendência:

Bandas de Bollinger

Identifique força ou debilidade na tendência de preço

Do ponto de vista técnico, pela própria definição das bandas, os preços são considerados relativamente altos quando tocam a banda superior e relativamente baixos quando tocam a banda inferior. No entanto, movimentos acima ou abaixo da banda não são sinais de tendência por si mesmos. Em vez disso, devem ser considerados como indicadores de força.

No caso de uma tendência altista, conforme indica o gráfico seguinte, os fechos de preços acima da banda superior são indicadores da força do movimento. Há que ter em mente que a banda superior forma-se adicionando à média móvel 2 vezes o desvio-padrão, o que dá uma ideia do grande pulo ascendente da cotação para superar essa banda superior.

O mesmo raciocínio, mas inversamente, pode ser aplicado no caso de uma tendência descendente, em que a debilidade do preço seria apreciada por fechos sucessivos abaixo da banda inferior.

Bandas de Bollinger